Exportação sobe, e soja poderá atingir recorde de 14 milhões de toneladas

Além da soja, setor de carnes também mantém bom desempenho.
Apesar de toda a crise econômica vivida pelo país neste mês, as exportações do agronegócio vão bem. Poderá sair perto de 14 milhões de toneladas de soja pelos portos brasileiros, superando o recorde mensal de 12,4 milhões de até então, que era de maio de 2018.

Além da soja, o setor de carnes também mantém bom desempenho, e as estimativas de vendas externas de abril seguem o ritmo das dos meses anteriores ao coronavírus.

As previsões de exportações de soja e de carnes, dois dos principais itens da pauta brasileira do agronegócio brasileiro, foram feitas com base na evolução média das vendas externas registradas pela Secex (Secretaria de Comércio Exterior) dos 12 primeiros dias úteis.

A boa evolução de abril, porém, não é garantia para os próximos meses, uma vez que o Brasil está exportando produtos negociados há alguns meses, e este é o pico da saída de soja para o exterior.

A saída da China da crise do coronavírus, porém, poderá manter um bom ritmo das exportações brasileiras, uma vez que a maior parte das vendas de soja, carnes e celulose é dirigida para a China.

Os dados da Secex indicam que já saíram 8,8 milhões de toneladas de soja neste mês. Mantido o ritmo atual, o volume exportado poderá superar 14 milhões.

Com relação às carnes, o volume a ser exportado neste mês deverá repetir o de março, se os próximos dias repetirem o desempenho das primeiras semanas.

Conforme as estimativas atuais, as vendas externas de carne suína devem ficar próximas de 62 mil toneladas neste mês, as de frango, em 315 mil, e a bovina, em 112 mil.

Quanto aos preços, apesar do recorde de exportações, o valor da soja se mantém em US$ 337 por tonelada, em média. As carnes bovina e suína obtêm preços semelhantes aos de março. O preço da de frango, no entanto, teve redução de 3% no período.

O patamar das vendas externas do agronegócio deste ano está bem acima do de igual período de 2019. As exportações médias do setor superam, neste mês, em 46% as de abril do ano passado. No mesmo período, as importações recuaram 2,1%, segundo os dados registrados pela Secex para este mês (Folha de S.Paulo, 21/4/20)
Fonte: Brasil Agro