Soja: Dólar em alta ameniza perdas em Chicago para preços nos portos

O mercado internacional da soja vem ampliando suas baixas em Chicago na sessão desta segunda-feira (27). Com uma pressão adicional do mercado financeiro, as posições mais negociadas perdiam entre 21,50 e 25,25 pontos, com o novembro/15, referência para a safra americana, cotado a US$ 9,39, por volta de 12h50 (horário de Brasília). O dólar subindo em todo o mercado internacional também contribuía para um recuo das cotações.

E esse ganho da moeda americana frente à brasileira ajuda, no entanto, a dar algum suporte para a formação dos preços nos portos do Brasil. Por volta de meio-dia, em Paranaguá, a soja disponível era negociada a R$ 74,50 e o produto com entrega em março em R$ 74,90 e para abril, R$ 75,50 por saca. Em Santos, R$ 75,90 para a soja disponível e R$ 76,50 em abril. No terminal de Rio Grande, o produto disponível valia R$ 76,30 e o futuro, R$ 76,80 por saca.

As preocupações com a China mantinham, como noticiou a Folha de S. Paulo, o dólar em sua máxima de 12 anos frente ao real nesta segunda-feira. Por volta de 12h30, a moeda registrava alta de 0,44%, cotado em R$ 3,356 na venda. Na máxima da sessão, a divisa já chegou a bater nos R$ 3,38.
Bolsa de Chicago
Em Chicago, o mercado hoje se mostra muito técnico e apreensivo diante das informações do financeiro, como explicou o consultor Vlamir Brandalizze, da Brandalizze Consulting, o que motivava uma saída dos fundos de investimento de ativos como as commodities agrícolas para outros mais seguros, como títulos públicos americanos.
Hoje, as ações asiáticas fecharam em queda novamente de olho no andamento da economia da China e à espera das reuniões do Federal Reserve (o banco central norte-americano) que acontecem nesta terça e quarta-feira. COmo noticiou a Reuters, a bolsa em Xangai caiu mais de 8% diante da "leitura fraca da pesquisa Índice Gerente de Compras (PMI, na sigla em inglês) sobre a atividade industrial".
Paralelamente, há ainda a divulgação de dados melhores do que o esperado sobre as ecomendas de bens duráveis nos Estados Unidos reforçando as expectativas de uma recuperação sustentada da economia americana, informação que motiva um avanço ainda mais forte do dólar a medida que poderia permitir ao Federal Reserve um aumento na taxa básica de juros do país. Novas reuniões do banco central norte-americano serão realizadas nesta terça e quarta-feira.
Paralelamente, no Meio-Oeste americano, as chuvas fortes dão uma trégua e parecem exercer menos impacto sobre a nova safra de grãos do país. O mapa a seguir, do site internacional AgWeb, mostra os acumulados de chuvas nos últimos sete dias e os principais estados produtores registraram volumes ded 6,35 a 25,4 mm no período, bem menores do que há algumas semanas na região.
Acumulados de Chuvas nos últimos 7 dias nos EUA - Fonte: AgWeb
Nesta segunda-feira, o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) traz uma atualização de seu boletim semanal de acompanhamento de safras e a expectativa do mercado é de que haja uma revisão positiva no indicador de lavouras de soja em boas/excelentes condições. O relatório será reportado às 17h (Brasília), após o fechamento do pregão.
No boletim anterior, o departamento mostrou que 62% das plantações estavam em boa forma, mesmo número da semana anterior, porém, bem abaixo dos 73% registrados no mesmo período da temporada 2014/15. O USDA informou também que, na última semana, 56% das lavouras já estavam florescendo e 17% delas já formavam vagens.
Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas
-----------
Fonte:
http://www.noticiasagricolas.com.br/noticias/soja/159321-soja-dolar-e-financeiro-pressionam-chicago-nos-portos-precos-se-sustentam-acima-dos-r-70.html#.VbfUbbNVjyB