Dilma inaugura Tegram no Porto do Itaqui

Após participar da solenidade de entrega de unidades de moradia do programa Minha Casa, Minha Vida, a presidenta Dilma Roussef, acompanhada do governador Flávio Dino, do prefeito Edivaldo Holanda Júnior e do presidente da EMAP, Ted Lago, visitou o Porto do Itaqui, onde descerrou a placa de inauguração do Terminal de Grãos do Maranhão, Tegram. Também participaram da cerimônia os ministros Edinho Araujo, da Secretaria Especial dos Portos; Kátia Abreu, da Agricultura; o governador do Piauí, Wellington Dias, o senador Edison Lobão, o representante do consórcio Tegram, Luiz Carlos Santos, além de deputados federais e estaduais.

Em sua fala, o governador ressaltou a importância estratégica do Porto do Itaqui como canal de escoamento do chamado Arco Norte e o Tegram como marco logístico para o agronegócio brasileiro. Flávio Dino elogiou "o belíssimo trabalho realizado pelo presidente da EMAP, Ted Lago", e se confraternizou com todos os trabalhadores da EMAP e das atividades do Porto do Itaqui.

A presidente Dilma Roussef visitou a área primária do Porto, onde recebeu informações sobre as atividades e os números positivos das operações em 2015. Em seu discurso durante a solenidade, ela citou o grande trabalho de fortalecimento da fronteira agrícola MATOPIBA, integrada pelos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, e destacou que é desse lado do Brasil que está o potencial para vencer a crise.

Sobre o Tegram

O Terminal de Grãos do Maranhão (Tegram) é um projeto estruturante que contempla a infraestrutura do Porto do Itaqui para recepção de grãos com o compartilhamento dos berços 103 e 100, na primeira e segunda fase, respectivamente. Sendo um consórcio formado pela CGG Trading, Glencore, NovaAgri (do fundo Pátria) e o Consórcio Crescimento (formado pela francesa Louis Dreyfus Commodities e pela Amaggi), o Tegram conta com modais ferroviários e rodoviários para receber a produção de grãos. O terminal tem a perspectiva de equilibrar o escoamento da produção, em relação à logística atual centralizada nos portos do Sul-Sudeste.

Com quatro armazéns, o terminal tem capacidade de armazenagem estática de 500 mil toneladas de grãos (125 mil toneladas cada) e capacidade de movimentação de 5 milhões de toneladas ao ano; outros 5 milhões de toneladas serão acrescidos na segunda fase, quando o terminal terá mais um berço para atracação, com previsão de operar em 2017.

Atualmente, recebe de 500 a 530 caminhões por dia, um movimento que deverá aumentar, em curto prazo, para até 800 veículos ao dia para descarregamento de cerca de 32 mil toneladas de grãos em oito tombadores de caminhões (dois em cada armazém). Mas, até o final de julho, esta estrutura será acrescida da moega ferroviária, que conta com um ramal que liga o terminal à Ferrovia Norte-Sul, com capacidade para receber composições de até 80 vagões carregados com cerca de 7 mil toneladas.

Investimento federais

A presidenta Dilma vem conhecer de perto a realidade do Porto que receberá investimentos federais, anunciados em junho. Os investimentos darão ao local a capacidade de movimentar 2 milhões de toneladas/ano de celulose e 4,3 milhões de toneladas/ano em graneis minerais, uma elevação de 30% na movimentação de cargas. O anúncio foi feito pela presidenta Dilma Rousseff ao governador Flávio Dino na cerimônia que marcou o lançamento do Programa de Investimento em Logística 2015/2018 do governo federal.

O investimento para o Porto do Itaqui contempla dois terminais, sendo um para celulose, com capacidade de movimentação de 2 milhões de toneladas/ano, e outro de graneis minerais, preferencialmente fertilizantes, com capacidade de movimentação de 4,3 milhões de toneladas/ano. A licitação do bloco 2 deve ocorrer no primeiro semestre de 2016, contemplando áreas "greenfield" do porto organizado do Itaqui.

"Esses investimentos atenderão diretamente às demandas geradas pela produção de celulose no interior do Maranhão, bem como a expansão da fronteira agrícola da região do MATOPIBA (estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), proporcionado pelo Tegram, o Terminal de Grãos do Maranhão", afirmou Ted Lago.

Marco logístico para o agronegócio brasileiro, o Tegram é uma das maiores obras de infraestrutura para a exportação da safra brasileira de grãos e sua abertura tem beneficiado diretamente os produtores da região do MATOPIBA (Maranhão, Tocantins, Piauí, Bahia) e do Nordeste de Mato Grosso. Esta proximidade da nova fronteira agrícola do Brasil gera maior agilidade ao escoamento da safra para mercados estratégicos, como Europa e Ásia.

Na primeira fase, que envolve a operação de um berço prioritário para atracação de navios, os investimentos do consórcio no TEGRAM chegaram a R$ 600 milhões nas obras e equipamentos de alta tecnologia; na segunda, estima-se aporte de mais R$ 80 milhões e mais um berço.

Quando estiver totalmente concluído (fases 1 e 2), o TEGRAM estima receber um fluxo anual de 220 navios, 900 trens (80% do volume) e 150 mil caminhões (20% do volume), com capacidade de embarque de 10 milhões de toneladas.

Fonte: Assessoria de Imprensa EMAP/SECOM
Link